Dias úteis: 09h às 20h | Sábados: 10h às 18h 913 400 204 geral@recriarsentidos.pt

O nascimento de um bebé é um momento de muita felicidade para toda a família. Afinal, com a chegada do novo membro, os pais são deparados com uma série de tarefas e ajustamentos que necessitam de fazer. A mãe, em especial, passa por processos físicos e emocionais que podem originar uma situação de depressão pós-parto. Saiba neste artigo porque surge e quais os sinais a que deve estar atenta numa eventual situação depressiva após a maternidade.

 

Vamos falar de depressão pós-parto

Em primeiro lugar, após o parto, surge uma nova realidade familiar. Logo, ambos os elementos do casal são confrontados com “novidades” e adaptações constantes. E, no caso específico da mãe, trata-se de um momento desafiante.

Assim, se o parto pode ser um dos momentos mais felizes da sua vida, pode fazer com que a mãe se sinta particularmente fragilizada. Mas, se estar em casa com o bebé pode ser excitante pode ao mesmo tempo ser assustador. Além disso, o ajustamento a este novo papel de mãe e a recuperação do parto está associado a uma enorme carga hormonal, acompanhada de emoções fortes.

 

Depressão pós- parto e baby blues

 

O que é o baby blues?

As mudanças que a chegada de um novo bebé implica são bastante exigentes. Assim sendo, podem traduzir-se num enorme cansaço, em crises de choro, tristeza, falta de confiança ou sensação de incapacidade para cuidar do bebé. Estas reações, que se denominam de baby blues – ou melancolia da maternidade, são naturais e ocorrem nos primeiros dias após o parto. Nestes dias, em que se dá o reconhecimento recíproco entre mãe e bebé, a mãe sente-se mais fragilizada e muito emotiva. Este é o tempo necessário para que a mãe possa compreender o seu bebé como um ser separado de si e conhecer as suas necessidades para poder dar-lhes resposta. Contudo, após estes dias de adaptação, estes sintomas tendem a ficar cada vez mais atenuados até desaparecerem.

 

Depressão pós-parto, o que é?

A depressão pós-parto é muito mais do que uma tristeza passageira. Assim sendo, nesta situação, as reações do baby blues prolongam-se no tempo e podem tornar-se mais intensas. Segundo alguns autores, esta tipologia de depressão afeta entre 20 a 35% das mulheres e pode começar após a primeira semana de parto e durar até dois anos. Os seus sintomas são muito semelhantes aos sintomas de depressão e prejudicam a relação mãe-bebé.

 

baby blues

Como saber se tenho depressão pós-parto? 

Os sinais e sintomas da depressão pós-parto incluem:

  • Cansaço constante e falta de energia
  • Dificuldades de concentração, atenção e memória
  • Alterações do apetite e do sono
  • Irritabilidade e choro fácil
  • Tristeza prolongada (superior a duas semanas)
  • Incapacidade de realizar tarefas do dia-a-dia
  • Desinteresse pelo bebé
  • Ansiedade exagerada pelo estado de saúde do bebé, com verificações constantes
  • Perda de autoconfiança
  • Sensação de culpa e vergonha
  • Sentimento de fracasso e incompetência
  • Ideias de suicídio ou de morte

Quais as causas da depressão pós-parto?

Muitas vezes, as mães que sentem os sintomas atrás referidos, ouvem expressões como “Isso é das hormonas, vai passar”. Contudo, apesar de as alterações hormonais estarem relacionadas com as alterações do humor, a depressão pós-parto deve-se à conjugação de diversos fatores – biológicos, psicológicos, familiares e socioeconómicos. Neste sentido, não se trata de um estado passageiro. É importante a mãe e a família estarem atentas aos sinais e aos fatores de risco.

Habitualmente, os primeiros sinais de depressão pós-parto surgem durante a gravidez, com a ansiedade associada a este estado. Embora qualquer mulher possa desenvolver uma depressão pós-parto, existem outras circunstâncias que aumentam o risco do seu desenvolvimento:

  1. História prévia de depressão
  2. Complicações na gravidez ou no parto
  3. Parto anterior traumático
  4. Perdas gestacionais anteriores
  5. Falta de apoio familiar
  6. Dificuldades na relação conjugal
  7. Ser mãe de prematuros ou de gémeos
  8. Gravidez indesejada

Além destes fatores, existem outras questões que podem agravar a depressão pós-parto. Falamos da idealização do papel de mãe que não consegue cumprir devido ao grande cansaço, as alterações na imagem física ou a insegurança em relação ao que o seu companheiro/familiares pensam acerca de si.

Depressão pós-parto – como lidar?

Em primeiro lugar, é importante que a mãe perceba que não tem culpa de sentir alguns destes sintomas. Existem algumas dicas que podem ajudar a prevenir e a lidar com este estado:

  • Descanse – aproveite todos os momentos para dormir ou tirar algum tempo para si
  • Faça uma alimentação variada – inclua na sua alimentação vários alimentos ricos e faça preferencialmente 5-6 pequenas refeições por dia
  • Se gostava de exercício físico, consulte o seu médico e comece a incluí-lo na sua rotina novamente
  • Cuide de si – ponha-se bonita mesmo que saiba que vai ficar em casa
  • Divida os trabalhos domésticos e os cuidados ao bebé, a responsabilidade não é só sua
  • Aceite ajudas externas – peça ajuda aos seus pais, aos seus amigos e familiares
  • Desvalorize as críticas – existe sempre alguém com uma opinião para dar, lembre-se que você é que é a mãe do seu bebé e não dê ouvidos a tudo que ouve
  • Lembre-se que a perfeição não existe – tire as suas dúvidas, partilhe os seus sentimentos, centre-se no que realmente importa e seja menos exigente consigo própria

Muitas vezes, a depressão pós-parto necessita de acompanhamento especializado. Sentir-se nesta profunda tristeza e ansiedade não é sinónimo de fraqueza ou de incompetência enquanto mãe. A depressão pós-parto é séria e real e exige atenção, compreensão e apoio da família. Se se identifica com os sinais e sintomas, não hesite em procurar ajuda profissional, por si e pelo seu bebé. Merece desfrutar em pleno desta fase tão especial da sua vida. Marque uma consulta informativa gratuita sem compromisso e saiba como a podemos ajudar.